quarta-feira, 28 de abril de 2010

Os cheiros da vida .

Viva sua essência, e os cheiros da vida!

Às vezes a vida nos dar oportunidades de conhecermos pessoas bem diversificadas, em gostos, produção, ostentação.
Umas bem diferentes das outras, lindas, feias, outras cultas, outras simples.
Uma não serve porque é gordinha, outro porque é peludo, outra porque fuma e já tem os seios caídos, ou fala demais!!!!
O ser humano escolhe amigos e amor, Como se estivesse escolhendo uma fruta na feira (esta serve, esta é meia tortinha) depois diz: Ninguém me ama ninguém me quer que vida ruim não acha?
Amor não é material, não é beleza externa, amor é luz interna, é dedicação, é ajuda e divisão. Ninguém ama outra pessoa somente porque ela é educada, veste-se bem.
Isso são só referenciais.Ama-se pelo cheiro(Ou cheiros) pelo mistério, pelo encontro de almas, pela paz e o valor que o outro lhe dá.
Amam-se pelo tom de voz, pelas batidas do coração, que se revela quando menos se espera." ama-se como pela união das chamas de duas velas encostadas uma na outra, que vão virar uma unica chama.Mesmo que seja breve!!!! Ou enquanto dure, como disse o poeta.
Escrevi esse pequeno texto, sexta a noite, dia 20 de abril, chovendo muito, o mar revolto, e a energia no ar, gerava nostalgia, romantismo, idéias diversas.
Quem não ama namorarcom o barulhinho de chuva, tomar um vinho (principalmente em uma companhia especial) amor, amigo, parente querido? Bom, isso realmente dar prazer! Pensei em diversas coisas, daí quando falo em amor pelo cheiro ou cheiros! É verdade, amamos os cheiros, de um lençol limpinho, um pão saindo do forno, o cheiro de chuva caindo no asfalto, e o cheiro de hortelã amassado?E o cheio delicioso de um dia amanhecendo em uma fazenda, ou mato?Noooooooooooosa! São tantos cheiros bons! Um cheiro de um bebe, eu lembro muito do cheiro de minha bisa vó, era um cheiro gostoso, de alfazema, as vovós amam esse cheiro, ou pelo menos a minha amava, assim como eu ,me traz ela de volta.
E o cheiro de quem amamos, ou estamos prestes a amar? É, a pele é essencial, o primeiro sinal é gostar do cheiro, do toque, do beijo...
Semana passada, estava voltando pra casa, parei em um sinal, e infelizmente ando meio assustada (como todos que moramos em uma cidade grande) com os problemas que estamos enfrentando relacionados à violência.
Então, atenta a todos os movimentos, vi um rapaz aproximando-se em uma motocicleta, e apontar algo em direção a janela da motorista de um carro, os vidros estavam meio embaçados, e só depois percebi que ele estava desenhando com os dedos, um coração, e depois a palavra AMOR.Ai,ai...
Era um homem enamorado, em um gesto que há muito, não tinha visto, um gesto adolescente, escrever em um carro, mas de um valor emocional, e um diferencial enorme.
Naquele momento, pensei: nossa, em meio ao agito absurdo, um momento de paz, e ternura. Fez bem ao meu coração!
Certas coisas, por mais simples que sejam, muitas vezes, conseguem grandes feitos.
Na verdade, precisamos mesmo é de amor! O ser humano foi criado pra isso, não interessa, qual o tipo de amor, eros? Ágape? , mas na essência, no fundo de sua alma, é necessário, ter amigos, alguém com quem à gente possa contar.
O dinheiro pode comprar um bom cachorro, mas só o amor faz a caldinha balançar.
A mente nos condiciona muito, para tudo que acreditamos, podemos realizar, e acreditar nessa energia, é positivo demais, os psicólogos, alguns através de um método clamado sofrologia,em que o individuo toma consciência do próprio corpo, de suas sensações,suas tensões corporais e mentais de suas emoções e pensamentos buscando cultivar uma consciência mais harmônica.Então descobre e conquistam de forma progressiva os valores positivos de sua existência e dos que rodeiam.Tratam pessoas pelo poder do que elas acreditam ser, mente, comandando corpo.
È isso mesmo, podemos nos condicionar, e termos essas sensações mais vazes, de ternura, amor, paz, como aquele rapaz, que em meio ao transito, buzinas, garoa, de sua motocicleta, sem conforto, ele não deixou pra depois, o que sentiu: TE AMO! Dentro de um coração. Ser bobo às vezes é tão bom! Não sabemos, se tudo que fizemos outrora foi certo, ou errado, mas sabemos que fizemos tudo, que naquele momento entendíamos como certo, e foi feito, e vivemos.
Chegar em casa, um lençol limpinho te esperando, meia luz, um cheiro gostoso em seu quarto, para melhorar, que tal escultar Enia, ou se não gosta , a sua canção favorita? Para ficar ainda melhor, coloca uma fonte ao lado de sua cama, o barulhinho da água, vai ajudar relaxar, uma roupa aconchegante, e começa o teu minuto de paz, pensa em coisas que te fazem bem, e nas que você quer viver, você vai ver, que um pouco desse momento diário, ou algumas vezes semanal, fará grandes feitos.Antes, toma um banho bemmmmmmmmmmmmmm demorado, se perfuma. O perfuma emana boas energias, é aliado dos anjo ( verdade ou não) todos amam um bom é aliado dos anjo ( verdade ou não) todos amam um bom perfume.
Todos nós funcionamos com uma lei infinita, todos nós funcionamdos com a lei da atração, atraimos para nós tudo aquilo que desejamos.
Viaje nesse momento, e construa o que deseja, faça de você, o que sempre sonhou.


Gardênia Cavalcanti

Amigo.

Outonos e primaveras por padre Fábio de Melo .

Primavera é tempo de ressurreição. A vida cumpre o ofício de florescer ao seu tempo. O que hoje está revestido de cores precisou passar pelo silêncio das sombras. A vida não é por acaso. Ela é fruto do processo que a encaminha sem pressa e sem atropelos a um destino que não finda, porque é ciclo que a faz continuar em insondáveis movimentos de vida e morte. O florido sobre a terra não é acontecimento sem precedências. Antes da flor, a morte da semente, o suspiro dissonante de quem se desprende do que é para ser revestido de outras grandezas. O que hoje vejo e reconheço belo é apenas uma parte do processo. O que eu não pude ver é o que sustenta a beleza.

A arte de morrer em silêncio é atributo que pertence às sementes. A dureza do chão não permite que os nossos olhos alcancem o acontecimento. Antes de ser flor, a primavera é chão escuro de sombras, vida se entregando ao dialético movimento de uma morte anunciada, cumprida em partes.

A primavera só pode ser o que é porque o outono a embalou em seus braços. Outono é o tempo em que as sementes deitam sobre a terra seus destinos de fecundidade. É o tempo em que à morte se entregam, esperançosas de ressurreição. Outono é a maternidade das floradas, dos cantos das cigarras e dos assovios dos ventos. Outono é a preparação das aquarelas, dos trabalhos silenciosos que não causam alardes, mas, que, mais tarde, serão fundamentais para o sustento da beleza que há de vir.

São as estações do tempo. São as estações da vida.

Há em nossos dias uma infinidade de cenas que podemos reconhecer a partir da mística dos outonos e das primaveras. Também nós cumprimos em nossa carne humana os mesmos destinos. Destino de morrer em pequenas partes, mediante sacrifícios que nos fazem abraçar o silêncio das sombras...

Destino de florescer costurados em cores, alçados por alegrias que nos caem do céu, quando menos esperadas, anunciando que, depois de outonos, a vida sempre nos reserva primaveras...

Floresçamos.

Uma poesia que amo

É assim que te quero, amor,
assim, amor, é que eu gosto de ti,
tal como te vestes
e como arranjas
os cabelos e como
a tua boca sorri,
ágil como a água
da fonte sobre as pedras puras,
é assim que te quero, amada,
Ao pão não peço que me ensine,
mas antes que não me falte
em cada dia que passa.
Da luz nada sei, nem donde
vem nem para onde vai,
apenas quero que a luz alumie,
e também não peço à noite explicações,
espero-a e envolve-me,
e assim tu pão e luz
e sombra és.
Chegastes à minha vida
com o que trazias,
feita
de luz e pão e sombra, eu te esperava,
e é assim que preciso de ti,
assim que te amo,
e os que amanhã quiserem ouvir
o que não lhes direi, que o leiam aqui
e retrocedam hoje porque é cedo
para tais argumentos.
Amanhã dar-lhes-emos apenas
uma folha da árvore do nosso amor, uma folha
que há-de cair sobre a terra
como se a tivessem produzido os nosso lábios,
como um beijo caído
das nossas alturas invencíveis
para mostrar o fogo e a ternura
de um amor verdadeiro.

Pablo Neruda

terça-feira, 27 de abril de 2010

Desamor

Sobre o amor e o desamor, sobre a paixão,
Sobre ficar, sobre desejar, como saber te amar?
Sobre querer, sobre entender, sem esquecer,
Sobre a verdade e a ilusão,
Quem afinal é você?
Quem de nós vai mostrar realmente o que quer?
Um coração nesse furacão, ilhando onde estiver.
O meu querer é complicado demais,
Quero o que não se pode explicar aos normais.
Sobre o porque de tantos porquês,
E responder
Entre a razão e a emoção eu escolhi você!

http://www.youtube.com/watch?v=5AC4Vaj86IY





Acho linda essa melodia. Ouvi e reslvi postar. beijos

domingo, 25 de abril de 2010

Como vivi sem você?



E nada no mundo se compara, quando você me abraça e dorme. Trocaria todos os diamantes do mundo pelo brilho do teu olhar. Daria a vida para te ver sempre sorrindo. Pois eu amo, com um amor tão grande que nem eu sem como explicar. Minha vida, meu menino.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

A mão que muda minha vida

E em cada amanhecer , essa mão tem mudado minha vida.



Menino;

Fico olhando você enquanto dorme, e sempre ao amanhecer, como é lindo o seu sorriso.
Hoje, já não tenho mais medo da solidão.
E todos os dias são desafios para um aprimoramento pessoal. pois crescer mais por dentro, faz parte mais que nunca, do meu querer. A beleza da matéria passa depressa,é Efêmera.
A alma, essa alma que tanto buscou a tua, hoje se acalma quando encontra teu olhar.
Dizem, que para cada alma, existe uma outra, e se você veio , tal qual pedi a Deus, já entendi.
Canções do meu ser , lagrimas também, tudo que agora fica tão pequeno, quando fico perto de você.
"A beleza da mulher não está nas roupas que usa,
na imagem que carrega, ou na maneira que penteia os cabelos.
A beleza da mulher tem que ser vista a partir dos seus olhos
porque essa é a porta para o seu coração, o lugar onde o amor reside.
A beleza da mulher não está nas marcas do seu rosto
mas está refletida na sua alma."

terça-feira, 6 de abril de 2010

Relendo

Discurso do publicitário Nizan Guanaes,

como paraninfo de uma turma de formandos em Administração de Empresas, da Bahia.

Dizem que conselho só se dá a quem pede. E, se vocês me convidaram para paraninfo, sou tentado a acreditar que tenho sua licença para dar alguns. Portanto, apesar da minha pouca autoridade para dar conselhos a quem quer que seja, aqui vão alguns, que julgo valiosos.

Não paute sua vida, nem sua carreira, pelo dinheiro. Ame seu ofício com todo coração. Persiga fazer o melhor. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como conseqüência. Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser nem um grande bandido, nem um grande canalha. Napoleão não invadiu a Europa por dinheiro. Hitler não matou 6 milhões de judeus por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro. E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham. Porque são incapazes de sonhar. E tudo que fica pronto na vida foi construído antes, na alma.

A propósito disso, lembro-me uma passagem extraordinária, que descreve o diálogo entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar daqueles leprosos, disse: "Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo. E ela responde: Eu também não, meu filho".

Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar em realizar tem trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.

Meu segundo conselho: pense no seu País. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si. Afinal é difícil viver numa nação onde a maioria morre de fome e a minoria morre de medo. O caos político gera uma queda de padrão de vida generalizada. Os pobres vivem, como bichos, e uma elite brega, sem cultura e sem refinamento, não chega a viver como homens. Roubam, mas vivem uma vida digna de Odorico Paraguassú. Que era ficção, mas hoje é realidade, na pessoa de Geraldo Bulhões, Denilma e Rosângela, sua concubina.

Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito. É exatamente isso que está escrito na carta de Laudiceia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu te vomito.

É preferível o erro à omissão. O fracasso, ao tédio. O escândalo, ao vazio. Porque já vi grandes livros e filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso. Colabore com seu biógrafo. Faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido.

Tendo consciência de que, cada homem foi feito, para fazer história. Que todo homem é um milagre e traz em si uma revolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro. Você foi criado, para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, e caminhar sempre, com um saco de interrogações na mão e uma caixa de possibilidades na outra. Não use Rider, não dê férias a seus pés. Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: eu não disse!, eu sabia!

Toda família tem um tio batalhador e bem de vida. E, durante o almoço de domingo, tem que agüentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo que ele faria, se fizesse alguma coisa. Chega dos poetas não publicados. Empresários de mesa de bar. Pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta de noite, todo sábado e domingo, mas que na segunda não sabem concretizar o que falam. Porque não sabem ansear, não sabem perder a pose, porque não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.

Eu digo: trabalhem, trabalhem, trabalhem. De 8 às 12, de 12 às 8 e mais se for preciso. Trabalho não mata. Ocupa o tempo. Evita o ócio, que é a morada do demônio, e constrói prodígios.

O Brasil, este país de malandros e espertos, da vantagem em tudo, tem muito que aprender com aqueles trouxas dos japoneses. Porque aqueles trouxas japoneses que trabalham de sol a sol construíram, em menos de 50 anos, a 2ª maior megapotência do planeta. Enquanto nós, os espertos, construímos uma das maiores impotências do trabalho.

Trabalhe! Muitos de seus colegas dirão que você está perdendo sua vida, porque você vai trabalhar enquanto eles veraneiam. Porque você vai trabalhar, enquanto eles vão ao mesmo bar da semana anterior, conversar as mesmas conversas, mas o tempo, que é mesmo o senhor da razão, vai bendizer o fruto do seu esforço, e só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão.

E isso se chama sucesso.