sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Os homens lindos da minha vida

E caminham no maior charme, os homens da minha vida.
O homem que plantou uma semente linda em mim.
A semente que a cada dia, anda, sorri, me chama de mãe e me ensina o verdadeiro sentido do amor, crescimento pessoal.
Sempre aprendi que árvores boas dão frutos bons, sempre serei grata.
Ao criador, a vida, a possibilidade de viver esse momento, essa passagem e ver essa paisagem e suas composições.

O conto das princesas modernas






A cada dia fico mais interessada nas histórias que recebo de muitas mulheres que devido ao tempo que estou no ar, viram de certa forma confidentes amigas e me enviam cartas com suas histórias. É, são muitas e até da vontade de criar um blog especialmente para essas histórias de vida e amores cheios de desilusões, eu poderia da um nome: “O conto das cinderelas modernas”.
Pois bem, são mulheres que lá no fundo, sonharam com o relacionamento perfeito, e por mais que ouvissem de suas amigas, familiares mais experientes elas se recusaram a acreditar que o seu “príncipe” mudaria, ou como li um dia desses: Ele me mostrou quem era, mas eu achei que iria mudar. Coitadinha.
Mas, vamos continuar naquelas que não tem desilusão antes do tão esperado e sonhado dia, antes de ir para a rotina, juntar as escovas, viver unido na saúde ou na doença, na riqueza ou na pobreza e felizes para sempre. Para sempre? Felizes?Conheço também muitas histórias de casais que viveram para sempre, até pela época que não permitia separações, ou pelos bens, ou pelos filhos, morreram juntos e muitos( inclusive conheço um casal muito bem) que viveram mais de 50 anos, sendo uns 30 sem se falar direito.Felizes?
Sempre acreditei no ser feliz por inteiro, sem metades e se for parar sofrer que seja de uma vez, não em dozes , essas matam bem mais rápido que um coquetel forte e completo. Mas, existem pessoas, principalmente mulheres que insistem em situações que já não são saudáveis , já não existe futuro.
Tudo começa assim: A menina nasce, logo cedo pelo instinto , ela começa a brincar de boneca ( sua filha(o) imaginável), é educada e cresce para conhecer um grande amor. Outrora , muitas se guardavam e como um presente , era descoberto apenas no primeiro dia.Com a modernidade, essas meninas saem muito cedo de suas casas, algumas se perdem nos bailes da vida, nas porções mágicas e na esperança de em algum desses momentos de festa o príncipe chegar e calçar o tão sonhado sapatinho.
No fundo, por mais louca e moderna essa cinderela acredita, que seu príncipe vai chegar. Quando ele chega, tudo fica completo, perfeito e a festa para comemorar o tão sonhado encontro é uma mistura de entusiasmo e realização. Então , eu vos declaro príncipe e cinderela ou princesa e sapo?
Em alguns contos, o sapo que vira príncipe, mas em outros, o príncipe começa com o desgaste virar um sapo, quando não um sapão daqueles! E as cinderelas que muitas vezes se casam cheias de glamour , começam a virar as gatas borralheiras. Não dá para se manter princesa, as coisas começam a desmotivar , murchar, minguar.
As noites sussurradas começam a diminuir, os beijos nas despedidas e chegadas são esquecidos, as palavras doces e momentos de carinho ( fora os da cama) ficam cada vez mais escassos e pobre da cinderela que achou que isso iria durar para sempre. Até conheço alguns casais que viveram felizes assim, que se amaram e se entregaram e não mudaram, ambos. Sim, as cinderelas modernas mudam também,acredito que devido ao aborrecimento, a falta do que conheciam e as perguntas constantes: Foi com esse que me casei?Sim foi. Ele estava tão apaixonado, tão envolvido, tão , tão, tão...
O castelo é seu refúgio e ela permanece a maior parte do tempo sozinha, ou sai para o trabalho , cuida dos filhos, cuida do cabelo, das unhas, ler e as vezes se olha no espelho e se sente gorda, não se enxerga mais. Assim, sinto em cada e-mail que leio, com apelos exagerados muitas vezes , principalmente quando fazemos as promoções de transformação do programa que ainda apresento em Pernambuco. Sim, elas pedem socorro ou serão abandonadas.
Mas, príncipes não abandonam ! príncipes salvam!Era pra ser assim, mas na maioria das vezes não é. Esses príncipes falam coisas que ferem, doem, que deixam as cinderelas com a auto estima lá em baixo . coisas que muitas vezes as fazem acreditar que são elas as piores, as culpadas, mal educadas, as que não sabem escutar...Elas choram e lembram daqueles momentos perfeitos, beijos ardentes, promessas e juras de amor. Elas resolvem ficar, até porque algumas estão com a vida nas mãos dos príncipes que juraram amor eterno. Mas , lá no fundo mesmo, elas ficam, pois acreditam na tal felicidade, elas sonham com a família perfeita, mesmo quando ele sai caminhando e a deixa para traz, quando ele sai e não a beija mais.Ela , naquele momento até lembra, quando caminhar sozinha era impossível, quando puxar a cadeira do restaurante para ela sentar era função única dele. Quando enfim, aquele brilho nos olhos era de amor e paixão. Naquele momento ela não quer saber dos temores em seu coração, ela até se culpa e acredita que ela que está unicamente errada. E segue , com o sapatinho na mão, o cabelo um tanto desfeito, as atribuições do dia a dia, as lembranças do seu príncipe e um olhar um tanto terno para o sapo. Afinal, ele é um bom pai, dono de casa. Príncipes? Quem disse que a cinderela acreditava mesmo ? Ela é moderna lembra?

Gardênia Cavalcanti

O teu riso




Tira-me o pão, se quiseres,tira-me o ar, mas não me tires o teu riso.
Tão me tires a rosa,a lança que desfolhas,a água que de súbito brota da tua alegria,a repentina onda de prata que em ti nasce.


A minha luta é dura e regresso com os olhos cansados às vezes por verque a terra não muda,mas ao entrar teu riso sobe ao céu a procurar-mee abre-me todas as portas da vida.

Meu amor, nos momentos mais escuros solta o teu riso e se de súbito vires que o meu sangue mancha as pedras da rua,ri, porque o teu riso será para as minhas mãos como uma espada fresca.

À beira do mar, no outono,teu riso deve erguer sua cascata de espuma,e na primavera , amor,quero teu riso como a flor que esperava,a flor azul, a rosada minha pátria sonora.

Ri-te da noite,do dia, da lua,ri-te das ruastortas da ilha,ri-te deste grosseiro rapaz que te ama,mas quando abro os olhos e os fecho,quando meus passos vão,quando voltam meus passos,nega-me o pão, o ar,a luz, a primavera,mas nunca o teu riso,porque então morreria.


Pablo Neruda